quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

As primeiras páginas de "LOGAN"

Na semana passada saiu a lista dos indicados ao Oscar de 2018. Como um aspirante a roteirista, resolvi estudar o roteiro dos indicados ao Oscar desse ano, em especial os indicados a melhor roteiro e melhor roteiro adaptado e dedicar os próximos posts desse humilde blog a esses filmes. É um exercício de aprendizado que quero compartilhar com vocês. Dessa forma eu me esforço para aprender mais e fixar melhor o que aprendo.
Decidi começar por um dos filmes de super-herois mais elogiados dos últimos anos, ou talvez da história: Logan, escrito por James Mangold, Scott Frank e Michael Green. Quando digo que o filme é um dos mais elogiados, não é apenas minha opinião. Logan teve aprovação de 93% no Rotten tomatoes e 8.1 estrelas no IMDB, além de outras avaliações positivas em diversos sites do tema.




Tentarei falar um pouco do filme e sobre as primeiras páginas do roteiro, mostrando o que gostei e aprendi quando li o mesmo.
Caso tenha interesse, você pode baixar o roteiro de "Logan" clicando aqui

Sinopse

Em um futuro próximo os mutantes, ou a maioria deles, estão extintos. O velho e alcoólatra Logan faz o que pode para cuidar do doente professor Xavier escondido em algum lugar na fronteira com o México. Contudo, seu esconderijo e tentativa de esquecer os dias passado vão a ruinas quando eles precisam proteger e transportar Laura, uma jovem mutante com poderes semelhantes ao Wolverine, que está sendo perseguida por uma organização perigosa.

As primeiras páginas de Logan.

Na primeira página do roteiro (primeiro minuto do filme) somos apresentados ao herói. Vemos uma limusine estacionada na estrada quando uma van com alguns ladrões para. Os bandidos logo começam a operação para roubar as partes caras da limusine.

Então vemos, no interior da limusie, LOGAN acordando com o incidente. Há garrafas vazias e embalagens de comidas de fast food espalhadas pelo chão.

Logan sai do carro e, ao ver os bandidos agindo diz:


LOGAN
...Uh. Por favor parem, pessoal. Esses parafusos são cromados.

Ele tenta explicar que o carro é alugado e as pessoas não pagarão para andar se estiver danificado, mas é interrompido por um tiro de um dos ladrões. Nesse momento do roteiro o autor dedica alguns parágrafos para explicar sobre as lutas e a violência do filme. Bem como explicar sobre as habilidades de Logan e que ele já não é mais o mesmo. No entanto, não é preciso ler essa parte do roteiro para perceber isso.

Na cena, quando Logan se levanta após o tiro, aqueles que não sabem sobre sua habilidade logo percebem que ele não é comum. Ao tirar suas garras, que saem lentamente, percebemos que ele já não é mais o mesmo.

Em seguida o vemos apanhando muito do grupo de inimigos enquanto faz o possível para proteger a limusine. Até o momento em que um tiro acerta acidentalmente o veículo e vemos Logan em fúria.



Isso é uma ótima forma de apresentar o herói ao público. Temos muitas informações em apenas duas ou três páginas do roteiro.

O estado decadente de Logan dormindo embriagado no banco de trás da limusine acompanhado de bebidas e fast food mostram como sua vida anda miserável.

Ao sobreviver do tiro vemos que ele não é um humano qualquer. Além das garras lentas, o fato de Logan, que já enfrentou os mutantes e vilões mais poderosos dos x-men e até exércitos inteiros, apanhar para um bando de ladrões de quinta categoria mostra o quão enfraquecidos estão seus poderes. Ao mesmo tempo vemos, em seguida sua fúria de sempre ao esquartejar a maioria dos inimigos.

Mas o que mais me chama a atenção são as primeiras falas de Logan. Ele tenta ser amigável, pedindo com educação para que os bandidos parem. Ele tenta dialogar. Isso é algo que não é comum de se ver no personagem em outros filmes. E isso mostra o quão diferente Logan está neste longa.

Ao longo do filme vemos mais evidencias disso. Por exemplo, quando Caliban comenta com Logan que os buracos de bala em seu peito não estão cicatrizando ou que ele não consegue nem ler o nome de um remédio. Fica cada vez mais obvio para o público que Logan está morrendo.  

Uma história sobre pessoas e não sobre super-heróis.

Logan se destacou por não ser apenas um filme de super-heróis, mas um road movie trazendo um drama familiar impactante. Com uma historia que muitos compararam ao game “The last of us”, Logan e Laura, conhecida como x23, vão desenvolvendo um relacionamento fraternal durante a viagem até a segurança da jovem mutante. Ao invés de apostar em super-vilões, poderes mirabolantes e ação do começo ao fim, Logan apostou no drama e o resultado agradou tanto a fãs dos quadrinhos como aqueles que nem gostam do gênero de super-heróis.

Um dos motivos do publico se identificar tanto com o filme é por que Logan não conta a história sobre super-herois. Logan tem problemas humanos. Ele tem que ganhar dinheiro para comprar remédios para um homem doente. Quer comprar um barco e tenta inutilmente negociar um preço menor. Apesar dos poderes, vemos em Logan um ser humano comum.

O filme conta a história sobre pessoas. Mostra um homem angustiado com a vida, depressivo e sem esperanças e uma garota perdida, jovem e que precisa não só de proteção, mas de orientação fraternal. No filme, Laura é aquela que resgata a humanidade de Logan, fazendo nascer novamente esperança em um homem angustiado. E isso é o que atrai o carinho de muitos de nós. É um filme que fala sobre as coisas mais importantes para seres humanos: relacionamentos.

É muito comum storytellers seguirem a risca, mesmo que sem querer, a jornada do herói: Alguém em sua rotina, tem um chamado para aventura, passa pela aventura, algumas coisas dão erradas, ele enfrenta as dificuldades e conquista a vitória, diferente de como começou. Mas muitos esquecem de dar humanidade aos seus personagens. Na grande maioria são pessoas com um destino especial. Escolhido dos deuses. São histórias legais, mas difícil de se identificar com pessoas comuns.

Já em Logan, vemos também essa jornada do herói bem nítida. Mas ao invés de focar na ideia de que o protagonista tem um destino, trabalha na humanidade do herói. A verdadeira jornada do herói de Logan é a busca por uma humanidade. E isso é algo que tem um efeito muito maior para quem acompanha a trajetória do herói nos filmes dos x-men. Como vemos no diálogo entre Logan e o professor Xavier:

CHARLES (CONT’D)
Quando eu te encontrei, você tentava fazer carreira 
lutando em gaiolas
LOGAN
Não estou com o humor para histórias de dormir.
CHARLES
Um disfarce para uma vida de assassino, viciado em barbitúricos.
      (Sorri, sombrio)
Você era um animal, mas nós o acolhemos. Eu te dei uma família


Logan foi apresentado no primeiro filme dos x-men como uma fera. Um animal selvagem.  No filme de sua origem, vemos como ele foi, muitas vezes tratado como uma arma. Através da convivência com os x-men, Logan foi deixando de ser uma besta selvagem. Mas em “Logan” os x-men se foram. Ele está perdido. Não é mais um animal, nem uma arma. Mas perdeu sua humanidade que tinha na família que o acolheu.

Através de Laura, que também foi criada como uma arma, Logan recupera sua humanidade. E morre como um humano. O que nos leva a um belo final para sua saga ao longo de todos os filmes e sua mensagem para Laura: “Não seja o que fizeram de você”. Durante quase sua vida inteira, Logan foi exatamente o que fizeram dele: Uma fera, uma arma, um assassino... E Laura que, no inicio de sua vida foi tratada como arma recebe esse conselho para que ela leve uma vida diferente da que Volwerine levou.




Logan não é só um filme de super-herói. É um filme que narra um relacionamento entre pai e filha e a busca de um homem pela sua humanidade. E em “Logan” nosso herói conclui essa busca após diversas tentativas de buscar essa humanidade ao longo dos filmes anteriores da franquia.

"Logan" está concorrendo ao Oscar de melhor roteiro adaptado. Caso tenha interesse você pode baixar o roteiro de Logan clicando aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário